Agência de Pautas da Responsabilidade Social
Bem-vindo ao site PautaSocial.com.br

Receba, diariamente, o conteúdo da Pauta Social por e-mail:


Se você já é cadastrado, informe seus dados abaixo para dar login:

E-mail:
Senha:




 

  ARTIGOS


17/12/2010

 GESTOS DE SOLIDARIEDADE NO NATAL

Natal deve ser um momento de união familiar e reflexão

Autor: Haércio Suguimoto *


Com a chegada do mês de dezembro, as pessoas realizam os preparativos para as duas maiores festividades do ano – o Natal e o Reveillon. Nas casas, as árvores já estão montadas; nos edifícios e estabelecimentos comerciais, os enfeites anunciam a aproximação da festa natalina e a imagem do bom velhinho resplandece para todo lado que olhamos. Para completar, a magia dos tradicionais pisca-piscas impera em todas as direções. Porém, é a presença das crianças em nossas vidas que, até mais do que os pisca-piscas, traz de fato o maior brilho do Natal.

Num mundo em que sofremos tanto com as desigualdades sociais e com a onda de violência que nos deixa inseguros até mesmo dentro de nossas casas, são elas, as crianças, que realmente trazem toda a vida da comemoração natalina. O maior presente é ver, nos rostos infantis, um largo sorriso, uma expressão de alegria, um sentimento caloroso de amor e conforto neste mundo tão endurecido em que vivemos. Em dezembro comemoramos o nascimento do menino Jesus e este é um momento de reflexão espiritual.

Mais do que os bens materiais que ganhamos, o Natal deve ser um momento de união familiar, de reflexão a cerca de nossas atitudes e de busca de paz interior. E é nesta época, em que muitos corações se abrem, que os gestos de solidariedade afloram de todas as direções. Nas organizações do Terceiro Setor que desenvolvem trabalho social com crianças, como o Lar Escola Cairbar Schutel, as práticas e ações solidárias são muito importantes para manter o brilho que há nos olhos dos nossos protegidos neste Natal. E, nesta época, as formas de carinho aparecem nas mais variadas maneiras: por meio de ações recreativas elaboradas por equipes voluntárias que levam diversão e lazer para os pequenos; doação de roupas, calçados e brinquedos ou ainda por contribuições monetárias. Esses atos de caridade são uma satisfação imensa, pois não somente trazem conforto, carinho, paz e alegria para as crianças abrigadas como também ajudam as instituições a manterem o trabalho social que desenvolvem.

No entanto, diante de tamanha nobreza e gratidão, devemos lembrar que o trabalho de formação das crianças num abrigo é uma atividade, embora extremamente prazerosa, incessante e que se prolonga ao longo do tempo. No último mês do ano, o acúmulo de gestos solidários faz com que fiquem escassas as contribuições nos meses em que se seguem. Nos primeiros meses do ano há uma grande dificuldade para que entidades consigam proporcionar aos seus assistidos o melhor atendimento.

IPVA, IPTU, material escolar, compras de natal e despesas das férias familiares afastam as pessoas dos gestos de caridade. Janeiro, fevereiro e março são meses de baixa na arrecadação das Instituições do Terceiro Setor. Por outro lado, no mês de dezembro, o espírito de natal leva as pessoas e empresas a doarem uma enorme quantidade de presentes para Instituições como a nossa. A grande preocupação é, então, transformar essa época de intenso significado em aprendizado de valores do espírito e não de simples culto ao materialismo. Os presentes são assim criteriosamente distribuídos às nossas crianças.

Os gestos de solidariedade geram contribuições nobres capazes de proporcionar o melhor para os assistidos por uma entidade, mas não é conveniente que estas ações se acumulem apenas em algumas épocas do ano como Natal, Páscoa, Festa Junina e dia da criança. Para mantermos nosso trabalho social e a melhor assistência às crianças institucionalizadas é muito importante pensarmos nos gestos de solidariedade com práticas contínuas, que devem ser mantidas sempre, para que consigamos manter acessa a chama que ilumina nossas vidas que são os nossos pequenos, seja no Natal, seja no Ano Novo ou seja em qualquer época.

* Haércio Suguimoto é advogado, formado pela USP – Universidade de São Paulo e comerciante. Há 24 anos realiza trabalho voluntário no Lar Escola Cairbar Schutel – http://www.cairbarschutel.org/. Desde 2008 é presidente da entidade.


CONTATO

Nome: Erick Paytl
Fone: 11 3034-1155
Empresa: LINK Portal da Comunicação
Pauta incluída por: Erick Paytl
Clique aqui para maiores informações

  OUTROS ARTIGOS


BEBER E DIRIGIR É CRIME OU INFRAÇÃO ADMINISTRATIVA?

Álcool e direção de veículo não combinam
Autor: LUIZ FLÁVIO GOMES

DORMINDO COM O CARRASCO MORTAL

Aumenta assassinatos das mulheres
Autor: Luiz Flávio Gomes

SUSTENTABILIDADE É TEMA DE CONSELHO

Sustentabilidade nos Conselhos de Administração
Autor: Robert Juenemann

SAUDADES DE CHICO ANYSIO

Hoje, humor brasileiro é bullyng contra o povo.
Autor: Demétrio Sena

MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE EMPRESARIAL

Ecodesenvolvimento acentua necessidade da sustentabilidade empresarial
Autor: Monique Rodrigues



hoje todas