Vai ter geração de emprego em 2020 no Brasil? O que esperar pós-pandemia

O mercado de trabalho do Brasil pode levar mais tempo para melhorar, já que o governo do Presidente Jair Bolsonaro procura reverter anos de destruição massiva do emprego e recuperação anêmica. As vagas de emprego para 2020 estão cada vez mais difíceis, afinal, num mercado de medo e recessão muitos negócios se fecharam e as perspectivas são poucas para todo o Brasil até 2021.

A taxa de desemprego do país nos três meses até janeiro aumentou pela primeira vez desde o início de 2019, para 11,2%, de acordo com números publicados na sexta-feira. Embora isso seja menor do que há um ano, a falta de emprego ainda é vista nos dois dígitos ao longo de 2020.

Um aumento esperado no número de novas posições este ano não conta a história completa do Brasil sobre o trabalho, que inclui aumentos na informalidade, renda estagnada e baixa produtividade. Ainda mais nublando as perspectivas de emprego é o surto global de coronavírus, o que está levando alguns analistas a advertir de um possível golpe para a economia local. O coronavírus pode reduzir o crescimento do PIB e os ganhos lentos no mercado de trabalho, mas ainda haverá avanços.

Emprego 2020 no Brasil

A partir de agora, espera-se que o crescimento do PIB do Brasil dobre para cerca de 2,2% este ano, e esse aumento se traduzirá em 900 mil novos empregos formais, mesmo em meio a preocupações do coronavírus, de acordo com Fundação Getúlio Vargas, uma escola de negócios conhecida como FGV. Se essa previsão for aprovada, representará um aumento de quase 50% no número de novos postos em 2019. Há sinais de que uma economia mais forte está atraindo os candidatos a emprego. O principal fator que vamos ver é o retorno dos trabalhadores desencorajados à força de trabalho, de acordo com pesquisas da Fundação Getúlio Vargas. 

As indústrias de mão-de-obra intensiva que beneficiam da taxa de juro de referência recorde-baixa do Brasil-como a construção, o varejo e os serviços-estão preparadas para o seu segundo ano consecutivo de crescimento robusto do emprego em 2020. Os baixos custos de empréstimos também estão apoiando o otimismo econômico, o que, por sua vez, está ajudando a reduzir o desemprego.

Novas regras que permitem contratos flexíveis ajudaram a criar mais de 80.000 posts no ano passado, e sua popularidade está aumentando rapidamente. De acordo com este modelo, as empresas podem optar por pagar um salário horário — em vez de mensal — para os empregados. Além disso, esses contratos estipulam o pagamento do tempo de trabalho efetivo dos trabalhadores. Muitas empresas consideram este tipo de contrato como uma opção atraente para os trabalhadores de nível de entrada e pessoas que retornam ao mercado de trabalho após um longo período à margem, e tornou-se uma alternativa à contratação temporária durante as férias ou uma temporada movimentada.

Deixe uma resposta